Para que as raízes e as asas cheguem juntas.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Simplicity & all the love forever



Afanei do seu blog, Vinícius Alves, porque é o original e estava à mão. Thanx.

Isto, segundo me lembro, foi escrito pelo Paul (McCartney) para Julian, filho de John Lennon, na época um adolescente, e um tanto quanto acachapado pela figura proeminente do pai.

sábado, 24 de abril de 2010

Latin in London



Shoot Me Dead
Caetano Veloso


Shoot me dead or be good or
Shoot me dead or say that you die for me
Always said, understood and
Always said, understood
And clear to see
Don’t waste your time in saying
Don’t waste your time in looking for sorrow
I’m as sure of the past as
I’m certain about tomorrow

All I know about you is
All you know about me is misinformation
All we know about death is
All we know about life in the situation
You’re eyes try to detect what
You’re eyes try to detect in explanations
My eyes are blinded by
The far off look of new expectations

Morena, morena
Morena, morena
Oh! Morena, morena...

terça-feira, 20 de abril de 2010

Milk Way



Belíssima imagem da via láctea fotografada e enviada para mim por meu amigo Mendonça de lá de Cainã.

Como bem me chamou a atenção minha amiga San, isto merece um comentário extra. É uma imagem do céu noturno capturada pela câmera do amigo Sérgio Mendonça Jr., na Fazenda Cainã. É soberba, como é especilidade dele, e parece irreal, só porque não estamos mais acostumados a ver esse tipo de coisa, nós, pobres seres urbanos. Mais informações aqui.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Keep the faith, babe



Keep The Faith
Michael Jackson

If you call out loud
Will it get inside
Through the heart of your surrender
To your alibis
And you can say the words
Like you understand
But the power's in believing
So give yourself a chance

'Cause you can climb the highest mountain
Swim the deepest sea - hee
All you need is the will to wart it
And uhh - little self-esteem

So keep the faith
Don't let nobody turn you 'round
You gotta know when it's good to go
To get your dreams up off the ground
So keep the faith, baby, yea
Because it's just a matter of time
Before your confidence will win out
Believe in yourself
No matter what it's gon' take
You can be a winner
But you got to keep the faith

Gon' keep it brother
You got it

And when you think of trust
Does it lead you home
To a place that you only dream of
When you're all alone
And you can go by feel
'Stead of circumstance
But the power's in believing
So give yourself a chance

I know that you can
Sail across the water
Float across the sky - high
Any road that you take will get you there
If you only try

So keep the faith, ow
Don't let nobody take you down, brother
Just keep your eyes on the prize
And your feet flat on the ground
So keep the faith, baby, yea
Because it's just a matter of time
Before your confidence will win out
I told my brother
How to do the thing right
Lift up your head
And show the world you got pride
Go for what you want
Don't let 'em get in your way
You can be a winner
But you got to keep the faith

Gon' keep it brother
You got it

I know that keepin' the faith
Means never givin' up on love
But the power that love has to make it right
Makes it, makes it right!

So keep the faith
Don't let nobody turn you 'round, brother
You gotta know when it's good to go
To get your dreams up off the ground
So keep the faith, baby, yea
Because it's just a matter of time
Before your confidence will win out

Better stand up
And act like you wanna do right
Don't play the fool
For the rest of your life
Work on it brother
And you'll make it someday
Go for what you want
And don't forget the faith
Look at yourself
And what you doin' right now
Stand back a minute
Just to check yourself out
Straighten out your life
And how you're livin' each day
Get yourself together
'Cause you got to keep the faith

(Keep the faith)
Don't let nobody take you down, brother
Just keep your eyes on the prize
(Keep the faith)
And your feet flat on the ground
So keep the faith, baby, yea
Because it's just a matter of time
Before your confidence will win out

Lift up your mind
Before your mind gets blown
Some things in life
You best just leave them alone
Go for what you want
Don't let it get in your way
You can make it happen
But ya got to keep the faith

(Keep the faith)
Gon' keep it brother
You got to keep the faith
Yeah keep the faith
(Keep the faith)
Gon' keep it sister
You got to keep the faith - now, now
(Keep the faith)
I told my brother
How to do the thing right
Lift up your head
And show the world you got pride
(Keep the faith)
Go for what you want
Don't let 'em get in your way
You can be a winner
If you keep the faith
(Keep the faith)
Straighten out yourself
And get your mind on track
Dust off your butt
And get your self-respect back
(Keep the faith)
You've known me long enough
To know that I don't play
Take it like you want it
But you got to keep the faith

(Keep the faith)
Gon' - don't let nobody take you down
Just keep your eyes on the prize
(Keep the faith)
And your feet flat on the ground
So keep the faith, baby, yea
Because it's just a matter of time
Before your confidence will win out

But till that day
I said you've got to keep the faith!

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Que triste que no vaya Cuba



Judy Blue Eyes
Crosby, Stills and Nash


It's getting to the point
Where I'm no fun anymore
I am sorry
Sometimes it hurts so badly
I must cry out loud
I am lonely
I am yours, you are mine
You are what you are
And you make it hard -

Remember what we've said and done and felt
about each other
Oh babe, have mercy
Don't let the past remind us of what we are not now
I am not dreaming.
I am yours, you are mine
You are what you are
And you make it hard-

Tearing yourself away from me now
You are free and I am crying
This does not mean I don't love you
I do, that's forever, yes and for always
I am yours, you are mine
You are what you are
And you make it hard-

Something inside is telling me that
I've got your secret. Are you still listening?
Fear is the lock, and laughter the key to your heart
And I love you.

I am yours, you are mine, you are what you are
And you make it hard-
And you make it hard-

Friday evening, Sunday in the afternoon
What have you got to lose?
Tuesday mornin', please be gone I'm tired of you.
What have you got to lose?
Can I tell it like it is? Help me I'm sufferin'
Listen to me baby-Help me I'm dyin'
It's my heart that's a sufferin', it's a dyin'
That's what I have to lose
I've got an answer
I'm going to fly away
What have I got to lose?
Will you come see me
Thursdays and Saturdays?
What have you got to lose?

Chestnut brown canary
Ruby throated sparrow
Sing a song don't be long
Thrill me to the marrow
Voices of the angels ring around the moonlight
Asking me, said she so free
How can you catch the sparrow?
Lacy, lilting, lady, losing love, lamenting

Change my life, make it right
Be my lady.
Doo doo doo doo doo, doo doo doo doo doo doo

At the end of the Suite, Stephen Stills sings the following Spanish lines:

Que linda me la traiga Cuba,
la reina de la Mar Caribe.
Cielo sol no tiene sangreahi,
y que triste que no puedo vaya,
Oh va, oh va, va.

Loosely translated that is:

How happy it makes me to think of Cuba,
the smiles of the Caribbean Sea,
Sunny sky has no blood, and how sad that
I'm not able to go
Oh go, oh go go


sexta-feira, 9 de abril de 2010

Wond'ring Again



There's the stillness of death on a deathly unliving sea,
and the motor car magical world long since ceased to be,
when the Eve-bitten apple returned to destroy the tree.
Incestuous ancestry's charabanc ride,
spawning new millions throws the world on its side.
Supporting their far-flung illusion, the national curse,
and those with no sandwiches please get off the bus.


The excrement bubbles,
the century's slime decays
and the brainwashing government lackeys
would have us say
it's under control and we'll soon be on our way
to a grand year for babies and quiz panel games
of the hot hungry millions you'll be sure to remain.


The natural resources are dwindling and no one grows old,
and those with no homes to go to, please dig yourself holes.


We wandered through quiet lands, felt the first breath of snow.
Searched for the last pigeon, slate grey I've been told.


Stumbled on a daffodil which she crushed in the rush, heard it sigh,
and left it to die.
At once felt remorse and were touched by the loss of our own,
held its poor broken head in her hands,
dropped soft tears in the snow,
and it's only the taking that makes you what you are.


Wond'ring aloud will a son one day be born
to share in our infancy
in the child's path we've worn.
In the aging seclusion of this earth that our birth did surprise
we'll open his eyes.

Jethro Tull
Ian Anderson
LIVING IN THE PAST

O PREGADOR DE BOTÕES II

A Acusação

A Camisaria Fontana & Fortuna cresceu e tornou-se uma grande firma exportadora. Mal se viam agora os Diretores, sempre viajando pela Europa e pelo Continente Asiático. Do Setor de Vendas jorravam pedidos e mais pedidos e os Gerentes de Departamentos riam à toa, menos o Camiseiro Dante, cujo mau bofe deixava a todos arrepiados.

Embora o negócio houvesse prosperado muito, a qualidade das camisas tinha caído bastante. Não tardaram em chegar as reclamações, e pedidos foram cancelados. Um dos maiores problemas era com os (raios dos) botões, que teimavam em não permanecer no lugar, caindo mal o produto retirado da caixa, frente ao lojista e ao aspirante a comprador, que batia em retirada insatisfeito.

As vendas começaram a declinar. Uma atmosfera malévola alastrou-se pelos cantos da fábrica, afetando o desempenho de todos. Até a faxineira era vista com os olhos marejados de lágrimas ao sair do banheiro, enquanto o pó se acumulava. Era preciso fazer alguma coisa, urgentemente!

A Gerência de Produção, o Marketing, o Departamento Financeiro, a Direção, enfim, todos os outros departamentos, chamaram o Supervisor Dante, como funcionário mais graduado, a dar uma explicação:

- Favor nos dizer o que acontece com esses malditos botões?, vociferou Stemer. O Supervisor, corpulento e atarracado, encolhia-se diante daquele homem alto, portentoso (além daquele imenso bigode). Fez ouvir seu chiado:

- É tudo culpa daquele pregador filho-da-prosta...

Em meio ao silêncio que se seguiu, o Diretor Stemer tremia, e de sua cara cada vez mais vermelha, parecia que os olhos iam saltar. O Senhor Reignart levou as mãos às orelhas como querendo arrancá-las. Rosa Helena virou lindamente os olhos, levou as costas de sua linda mão direita à testa e... desfaleceu. Só não chegou ao chão porque o Senhor Klemer, que a olhava embevecido, correu a ampará-la, laçando-a pela cintura.

- Um copo d’água, por favor!

- De quem o Senhor está falando, Senhor Dante, berrou Stemer. Explique-se!

Com faíscas nos olhos, o dantesco corcunda levou a cabo sua maldosa intenção:

- Leonardo R..., é o nome desse safado atirador de botões.

- Ora, não é possível, acorreu Rosa Helena, já perfeitamente restabelecida e ajeitando a saia, em defesa de seu protegido. É apenas um garoto, e um bom garoto, eu sei. Afinal, eu conheço o perfil do meu pessoal (com ênfase no meu). Não acredito que seja ele o responsável por tudo isso, falou firmemente.

- Chamem esse malandro logo aqui... como pudemos deixar a situação chegar a esse ponto... vamos pôr esse cretino no olho da rua já, já... acho que devemos ir com calma... devemos instaurar uma sindicância para apurar os responsáveis... ora, ora, que besteira... tanta insistência nessa compra absurda... eu sabia que ía dar em merda... você é um irresponsável... a economia é a base da porcaria... eu bem que avisei, não avisei?... vocês são todos uns incompetentes...

A Diretoria, seus membros e subalternos, abatidos, jogaram-se apáticos em suas cadeiras, menos Rosa, que saiu rápida e lindamente da sala.

Nuvens negras pairavam sobre a cabeça de nosso Pregador de Botões, assunto do próximo Capítulo.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Alf, o Eteimoso

Nada mais divertido na TV do que esse alienígena que cai na terra. Sem chance de retorno, e por parecer um pouco com um cachorro sem dono, é adotado pela família padrão dos terráqueos, cujo telhado ele esburacou com seu OVNI! E mesmo vindo de longe, de um lugar muito diferente, ele rapidamente se adapta ao seu novo lar. O surpreendente é que esse ET, estabanado, guloso e um bocado inconveniente, é por vezes mais humano que os seres que o adotam.


video

sexta-feira, 2 de abril de 2010

O PREGADOR DE BOTÕES

1. A Iniciação
Um rapaz trabalhava numa fábrica de camisas. Era mero pregador de botões, mas sonhava em ser confeccionista, isto é, desenhar e produzir suas próprias camisas. O pregador de botões era magro, descarnado, suas camisas sobravam, e as calças pareciam que iam cair a qualquer momento. O camiseiro, entretanto, era um sujeito encorpado, cujas calças mal continham a barriga e as camisas.

Um dia, como de praxe, o Camiseiro supervisionava o trabalho da equipe, e saltou-lhe um botão no meio da testa. Mal recuperado do choque, deu pela frente com o desafortunado pregador de botões, causador da mágoa que agora tranformava-se mais em profunda indignação. Como pode, este ínfimo tralha sem calças, lançar-me um projétil no meio dos olhos, tirar minha concentração, seu pulha... só pode ser um desses novatos sem-eira-nem-beira desmiolado e tudo o mais, merece uma lição este delinqüente ‘filho-de-uma-anta’ *, etc.


O esquálido pregador sofria com a máquina diabólica que lhe parecia olhar sem querer pregar nada. Porque esta merda faz só o que ela quer? Em meio ao seu desasossego, mal se dava conta da aproximação do Mestre Camiseiro, embora não se possa dizer que este passasse facilmente desapercebido.

O confronto seria trágico, não fosse a intervenção da Gerente de RH, mulher sábia e tranquilizadora , que firmemente deu um basta ao conflito, chamando cada um dos ranhetas ao canto.


- Dante, pare de pegar no pé do menino, disse ao Camiseiro, que bufava.

- Esse pulha não sabe nem pregar botões...

Eu também não sabia, na idade dele, pensou ela, mas ponderou que seria melhor mandar o rapaz para outra sessão.

No dia seguinte o ex-pregador de botões era da Manutenção das Máquinas. Ponha óleo aqui! Ponha óleo ali! Tá vendo esse parafuso? Tem que limpar e apertar! Não era tão ruim, pensou nosso herói, porém, não tão divertido como pregar botões. Estes costumavam saltar para longe, fazendo com que todo o mundo risse, principalmente as meninas. Deve ser um problema com a Máquina. Enfim, pregar botões é uma Ciência. A linha deve entrar e ser guiada pela agulha, e a máquina deve ser capaz de lacear a outra linha que corre por baixo. E o botão não pode sair do lugar.


Como a Manutenção não tomasse muito tempo, o jovem Leonardo, era esse seu nome, dedicou as horas livres para estudar a Ciência da Costura. Sua proficiência aumentou muito, graças à sua dedicação, e a Máquina passou a respeitá-lo.

Assim foi passando o tempo, mas um novo confronto entre o Pregador e o Mestre seria inevitável. A Gerente de RH saiu em férias. Era a oportunidade que o bufão esperava. Num ato de pura vingança, soltou alguns parafusos, afrouxou algumas porcas, e deixou vazar um bocado de óleo. Aquele pulha me paga...

Esse Senhor Camiseiro, formado em Confecção, com Mestrado pela Alta Escola de Camisaria Fina, mal podia esperar para ver a hora em que o mundo iria desabar sobre a cabeça do jovem iniciante.


O que aconteceu, porém, foi que choveu muito. Com o dilúvio, na manhã do dia seguinte, e todo aquele óleo derramado no chão, mais a água que entrou pelas janelas quebradas e os galhos lançados pela tempestade, ficou o acesso ao interior da fábrica impraticável. Salvou-se nosso herói, já que ninguém podia distinguir o que de fato causara tamanho estrago.

O Camiseiro Crápula amargou uma derrota profunda. E sua amargura fez aumentar o ódio que nutria pelo inocente desafeto.

Com a restauração da fábrica, os novos equipamentos que chegavam para substituir os antigos, inexplicavelmente arruinados, eram imensos, bem maiores que os anteriores. Capazes de fabricar “muito mais camisas em muito menos tempo”, segundo Müller, o Gerente de Produção. Brilhantes, e cheirando a óleo novo, deixaram a todos fascinados, principalmente ao jovem maquinista. Porém preocupados. Quem vai operar isso tudo?


A Gerente de RH, Rosa Helena Olsenbach, chegando de férias, convocou a todos para uma Reciclagem. Os Gerentes estavam eufóricos, os funcionários, nem tanto. Havia apenas um problema: parece que todos os manuais que acompanhavam a maquinaria estavam escritos em uma língua ininteligível. Não havia tempo.“O Técnico instrutor manda mensagens indecifráveis, e ao que tudo indica, nunca vai aparecer”, comentou um dos gerentes. Era preciso retomar a produção, ou o prejuízo, que já era grande, seria muito maior. Assim a Diretoria, ousadamente, ordenou a instalação.


Vocês hão de pensar que seria uma grande oportunidade, para nosso jovem aprendiz, de mostrar do que era capaz, mas estão enganados. Aquelas máquinas de costurar, aparentemente, faziam tudo de uma forma muito diferente. Ninguém entendia nada, e o jovem Leonardo, frustrado, menos ainda. Foram dias de muito nervosismo.


A Benévola Rosa Helena procurava acalmar a todos, e o mefisto Dante não perdia a chance de espezinhar e destratar maldosamente a quem quer que aparecesse, menos ao Diretor Stemer, é claro, de quem tinha muito medo.


Aos poucos, porém, após muitos desentendimentos, gritarias e algumas demissões, uma jovem costureira, muito bonita e talentosa, de nome Alena, descobriu, creio que por acaso, como aquilo funcionava: era só uma questão de por onde passar a linha. A exultação foi geral. As máquinas, montadas e bem lubrificadas, voltaram a operar. A produção não só se restabeleceu como aumentou. Leonardo conheceu Alena, e voltou a pregar botões, começando aqui sua verdadeira iniciação, mas isso já é outro capítulo.

*O camiseiro cultivava eufemismos que considerava modernos e inteligentes.